A Busca pela Felicidade X Espiritualidade

Jesus, nosso mestre, nosso dirigente, encarnou na Terra para nos ensinar a libertar nossas consciências do controle dos homens.

Jesus se comunicava de uma forma compreensível à humanidade da época e também se vestia conforme os trajes comuns daquela era. Mas ainda na atualidade quando O imaginamos, visualizamos um homem de cabelos longos com as vestes de outrora e triste.

Sempre retratamos Jesus como um homem triste, mas será que um Espírito de tamanha elevação seria triste? Talvez a humanidade o tenha entristecido em função da soberba, egoísmo e principalmente falta de amor.
Jesus, um ser elevado que sente amor incondicional por toda a humanidade, como poderia haveria tristeza nesse ambiente interno de amor? Talvez se o visualizássemos com felicidade, nossos corações seriam mais radiantes.

Todos nós buscamos a tal felicidade, as vezes nos iludimos achando que a encontraremos fora de nós, em outras pessoas, nos bens materiais, poder. Isso explica porque tantas pessoas com abundância de bens materiais e poder são infelizes e deprimidas. Elas tem tudo fora, mas por dentro sentem-se vazias. Deus veio nos ensinar que só preencheremos o vazio que sentimos quando entendermos que cada um é responsável pela sua própria felicidade e ninguém a encontrará fora, no outro, em coisas, porém ela está dentro do coração de cada um de nós.

Aí nos perguntamos: – E como encontraremos essa tal felicidade dentro de nossos corações? Como se faz isso?

Primeiramente entendendo que todos fomos criados para viver na abundância. Quando falamos em abundância nos referimos a tudo, saúde, amor, paz, felicidade, financeira. Mas o caminho para esse entendimento não é tão simples, porque esbarramos nas nossas crenças que limitam nossas atividades. E é exatamente por causa dessas crenças limitantes que a maioria da humanidade vive na escassez. Nós fomos doutrinados pelos homens a mentalizar escassez e não abundância.

São crenças que nos foram passadas através dos milênios, pelos nossos antepassados da família, nossos professores, educadores religiosos. Mas não os podemos culpar por herdarmos essas crenças, eles como nós também as receberam da mesma forma e simplesmente nos repassaram aquilo no que acreditam, pensando apenas no nosso bem estar e prosperidade. Nos libertar dessas crenças seria como retirar a venda dos olhos e enxergar o mundo de uma outra forma. Seria como se não enxergássemos nada a nossa volta durante toda a nossa vida, vivendo numa mentira.

“O amor é como fluído, preenche espaços vazios por conta própria, somos nós, as pessoas que o impedem, levantando falsas barreiras. E quando o amor não pode preencher os nossos corações e mentes, quando estamos desligados da nossa alma, cuja essência é o amor, todos enlouquecemos.” Extraído do livro: Só o Amor é Real (Dr. Bryan Weiss).

Talvez essas palavras retratem a realidade atual e expliquem as afirmações como: “o mundo está louco!”
O coração e mente vazios nos fazem buscar uma felicidade ilusória, pela qual nos violentamos e nunca nos sentimos completos.

Mas é possível tirar o véu dessa mentira? Como?

Primeiramente é preciso entender que retirar esse véu ou mudar a forma como acreditamos que o universo funciona não depende somente de nós, para isso precisamos fazer uma parceria com o mundo espiritual, anjos, arcanjos, mestres ascensos, dos quais Jesus está no topo da hierarquia.

É nesse mundo cheio de ansiedade que precisamos encontrar a nossa serenidade.

Não leve em conta somente a sua razão, procure cultivar elementos os quais talvez considere pouco racionais. A observação e compreensão da natureza é a maior das escolas espirituais. (Leonardo da Vinci).

Precisamos começar buscando formas de incrementar a vitalidade e profundidade dos aspectos desgastados pela robotização da vida. Procure um lugar tranquilo, faça uma caminhada por lugares agradáveis, escute uma música tranquila e acalme seus pensamentos, procure prestar atenção na sua respiração, respirar com profundidade, de forma lenta, pratique a quietude.

Reserve um tempo para se conectar a Fonte Divina através de orações, meditações ou simplesmente acalme seus pensamentos e fique em silêncio por algum tempo contemplando o silêncio do corpo e espírito ou ouvindo uma música serena, tranquila, deixando-se envolver pelo ambiente.

Saiba que a decisão de se lançar neste voo, é solitária porque depende de cada um de nós. Teremos todo o apoio e proteção do Mestre Jesus, seus anjos, arcanjos e dos mestres ascensos. Precisamos permanecer abertos a novos conhecimentos, e prestar atenção aos sinais do coração, pois ele nos dirá quais conhecimentos devemos agregar e quais ignorar.

Dizemos que é um voo solitário, porque muitos dos que optarem por se lançar nesse voo começarão a mudar seus hábitos, rotinas e começarão a receber críticas de amigos, familiares e colegas de trabalho. Mas a medida que cada um de nós conseguir equilibrar nosso campo energético, começaremos a irradiar boas energias aos que estão a nossa volta e aos poucos atingiremos as pessoas que nos criticam e elas decidirão se devem ou não se lançar junto conosco. Aprenderemos a respeitar a decisão de cada pessoa, pois todos temos o livre arbítrio e o momento certo.

Precisamos entender que as críticas recebidas são originadas na ignorância. Essas pessoas ignoram os conhecimentos que estamos adquirindo, da mesma forma como nós os ignoramos um dia. Precisamos aceitar as críticas com amor, serenidade e nos manter firmes em nosso propósito, irradiando amor a todos. Pois atraímos o que emitimos ao universo, amor atrai amor.

Jesus veio nos ensinar a amar incondicionalmente, mas só agora após 2000 anos é que estamos engatinhando nesse aprendizado, junte-se a nós!

Muitas bençãos!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

4 Comentários

  1. Aluízio Tavares de Araújo disse:

    Muito interessante a leitura , PARABENS

  2. Regina disse:

    Muito bom e inspirador o artigo. Da vontade de ler mais. Muito bom mesmo!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.