Plantar a Lua e o Sagrado Feminino

Plantar a Lua e o Sagrado Feminino
Energias Feminina e Masculina

Vivemos num universo dual da matéria na terceira dimensão. Existem duas energias, duas polaridades que se complementam, as energias feminina e masculina, ambas se manifestam em nossas vidas, tanto no homem quanto na mulher, mas para manter o equilíbrio a energia masculina se manifesta de maneira mais abundante no homem enquanto a feminina mais abundante na mulher.

A energia masculina é caracterizada pela claridade, ela é linear, mais forte e não se expande, representa a força, a escassez, a racionalidade e a lógica. A energia feminina é caracterizada pela escuridão e como no universo há muita mais escuridão do que claridade a energia feminina acaba sendo maior.

O equilíbrio do feminino é maior que do masculino, e suas características são a criatividade, transmutação, flexibilidade, os ciclos, a vida é cíclica. A vida é um ciclo, nascimento, ápice e morte. A energia é um ciclo e por ser grande expande em espiral.

Atualmente vivemos numa sociedade patriarcal e por isso as pessoas tendem a permanecer na zona de conforto, preferem isso a enfrentar o novo, sentem insegurança, medo e receio. E por isso as pessoas preferem viver num grande vazio do que se desapegar e partir para novas descobertas.

A Ancestralidade e o Ritual Feminino

Na ancestralidade, nas tradições matriarcais originárias, as mulheres ofereciam ritualmente seu sangue menstrual para a Terra. Hoje em dia perdemos de muitas maneiras o nosso relacionamento instintivo e em consequência disto, estamos cheias de inseguranças, arraigadas em padrões de medo, ansiedade e escassez.

A Terra – nossa querida Gaia, grande Mãe é capaz de nos ensinar sobre a sabedoria mais profunda do Sagrado feminino, basta você mulher se abrir para despertar as memórias que estão dormentes no útero sagrado.
Plantar a lua é um exercício sagrado, poderoso, curador e profundo para todas as mulheres.

A palavra ritual, segundo Elinor Gadon provém do termo Sãnscrito RTU e significa menstruação. Os primeiros rituais estavam relacionados ao sangramento das mulheres, acreditava-se que o sangue no útero possuía o poder mágico, nutria as crianças ainda por nascer.

A coleta do sangue menstrual pode ser através de coletores menstruais, bioabsorventes (por serem ecológicos), ou através do antigo “paninho”.

Elemento Vital

O sangue é o elemento vital para o ser humano, é a casa do nosso espírito, é ele o responsável por levar vida a todo o nosso corpo físico. O sangue contém 4 elementos da manifestação, o mundo espiritual, o mundo mental, o mundo emocional e o mundo físico. O ar que leva oxigênio ao corpo, a terra que disponibiliza o material e o ferro, a água que é o fluído da vida e o fogo que é a transformação.

Nossas ancestrais femininas tinhas todo esse conhecimento, sabiam que tudo era divino, cíclico e sagrado. Geralmente as mulheres de uma mesma família menstruam na mesma lua, e antigamente entendiam que estavam conectadas com a natureza e que o sangue da menstruação representava a vida, a limpeza, o início de um novo ciclo. Geralmente a lua de sangue ocorria na lua nova e entendiam que o fato de estarem no escuro representava o princípio, o recomeço. Menstruar significava recomeçar, como forma de gratidão e contemplação da deusa mãe (nessa época não havia a ideia de um Deus masculino).

A primeira menstruação de uma menina significava o início dela na vida, ela poderia começar a escolher os próprios caminhos, uma nova fase, o poder de conceber uma nova vida. Ela passava por um ritual, pegava o sangue, reconhecia o potencial energético dele, reconhecia que ele é um sinal sagrado dos ciclos da vida. E para que seus atos fossem condizentes com os ensinamentos da mãe, o sangue devia retornar a terra em forma de gratidão, para energia de troca. O sangue dá a vida, então retornavam o sangue para a terra, uma retroalimentação.

Na época não havia um ritual específico, elas simplesmente sentavam próximo as plantas frutíferas e devolviam essa energia para a terra em forma de doação da fertilidade, a doação da vida para a terra. O sangue também era utilizado para ungir os animais. Pois como a mulher fica fértil após a menstruação, acreditava-se que ungindo os animais com o sangue sagrado eles também se tornariam férteis.

Como Plantar a Lua na Atualidade

Primeiramente usar a intuição e não fazer de forma mecânica só porque várias mulheres estão plantando a lua.
Muitas mulheres não entendem quem é a Deusa, nós não somos a Deusa, mas somos a manifestação da sua energia na Terra e estamos resgatando o caminho para que possamos nos reconectar com essa energia através da fé.

Um dos compromissos é a utilização de elementos naturais para reconexão com a mãe terra e há um ritual que deve ser feito durante o período menstrual. O horário mais indicado a fazer o ritual é a noite, uma vez que a energia torna-se mais forte quando está escuro. Deve-se proteger o local onde será feito o ritual de plantar a lua, este ritual deve ser feito dentro de uma proteção sagrada, por isso devemos proteger nossa casa, terreno ou apartamento para que somente nossas plantas se alimentem dessa energia e não outras energias.

Algumas observações:

1) Anote o primeiro dia do seu ciclo menstrual e o que você está sentindo e o que sentiu antes de menstruar.
2) Colete seu sangue da melhor forma para você, coletor, paninho, se tem nojo procure entender que o sangue menstrual não é sujo, nos fizeram acreditar que é sujo, mas na verdade ele é sagrado, não tem cheiro. O mau cheiro é causado pelos elementos químicos dos absorventes sintéticos. Alguma mulheres coletam o sangue usando um pano, colocam esse pano dentro de um pote de barro para ele se diluir com a água.
3) Dilui-se o sangue com água
4) Sangue é vida, sangue é energia, este é um ritual para a Deusa, a terra mãe. O indicado é que seja plantado a noite, onde a energia feminina é mais forte.
5) O indicado é fazer diariamente durante o ciclo menstrual.
6) As plantas recebem a fertilidade e crescem fortes.

 

O sangue pode ser entregue em um jardim ou num simples vasinho de planta dentro do apartamento, pode ser uma planta específica com significado especial, uma flor, um tempero. Roseiras, sálvia e Artemísia são plantas de forte representação no feminino. Este é o melhor biofertilizante que poderia existir. Mas tudo deve ser feito com muito respeito.

Há quem prefira sangrar direto na Terra, deixando o sangre escorrer livremente na terra ou sentada sobre um vaso de flor, esse poder vai além das experiências verbais.

O sangue purifica o organismo, as emoções, mente, espírito. A terra pode transformar tudo, inclusive as nossas vidas.

A energia patriarcal nos desconectou da nossa essência e como é linear, é limitadora, hoje temos a ideia de tanta escassez. O feminino foi esquecido na humanidade.

Uma antiga sabedoria profetiza que quando chegar o momento em que todas as mulheres devolverem seu sangue à Terra, todas as guerras terão fim. A cura para tudo está debaixo dos nossos pés. A cura pela sabedoria.

Se gostou deste artigo, compartilhe com seus amigos

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.