O que são as Pedras de Ica

A pequena cidade peruana de Ica, situada no deserto de Nazca abriga em seu museu mais de 11.000 pedras entalhadas, conhecidas como as Pedras de Ica.

Mas o que são as Pedras de Ica?

Há algumas décadas a hipótese de que nosso planeta já foi habitado por uma civilização muito desenvolvida e com alto grau de conhecimentos tecnológicos vem ganhando força. Obviamente a ciência não menciona o assunto e sequer ventila essa hipótese. Porém há pesquisadores autônomos espalhados pelo mundo que buscam evidências através de achados arqueológicos surpreendentes, que reforçam a tese da existência de uma civilização muito desenvolvida, anterior à nossa.

Por outro lado, há muitos autores que defendem a ideia de que a história que conhecemos deveria ser reescrita, eles admitem a hipótese de ter existido uma civilização avançada no nosso planeta, anterior a grande era glacial.

Achados arqueológicos apontam que há muito mais do que conhecemos em nossa história do passado. William J. Meister, por exemplo, ao procurar fósseis de minúsculos animais marinhos do período Paleozoico, encontrou a marca de uma sola de sapato que pode ter mais de 500 milhões de anos. Fora isso, além dos conhecidos monumentos da antiguidade, que ninguém explica como foram construídos, foram encontrados na África restos de um tipo de usina atômica com mais de dois milhões de anos e trechos de muralhas com o mesmo padrão de construção das muralhas do Peru, Ilha de Páscoa, Índia e em outros locais do planeta.

História da Evolução

A história da evolução humana e das civilizações é cheia de explicações mal construídas e repleta de lacunas abertas. Há saltos incoerentes da civilização e dos conceitos que contrariam a coerência. Muitos alegam que nosso planeta já foi habitado por avançadas civilizações, porém não encontramos esses registros na história, ou pelo menos não sabemos da sua existência. São dúvidas difíceis de serem sanadas, porém existem várias polêmicas sobre o passado da humanidade e uma delas podem estar gravadas das pedras de Ica.

Em 1966, no deserto rochoso de Ocucaje, um dos quatorze distritos que formam a Província de Ica no Peru, o Dr.Javier Cabrera Darquea, médico e pesquisador, recebeu de presente de alguns camponeses, várias pedras de andesita, um mineral do grupo dos fesdspatos em cujas superfícies lisas foram entalhadas algumas figuras. Surpreendido com o peso das pedras, que são muito mais pesadas que as pedras comuns de igual tamanho, ele começou a estuda-las.

Desde os primórdios o homem desenhava nas paredes das cavernas, nas superfícies de artefatos de pedra e em diversas esculturas. Esses desenhos são valiosas fontes de conhecimento a respeito do passado da humanidade, contado através da arte que o homem da antiguidade deixou.

Ao encontrar artefatos com desenhos de dinossauros chega-se a conclusão de que o homem e os dinossauros, viveram na mesma época, será?

Vamos falar aqui sobre a controversa coleção das pedras de Ica, cujos desenhos demonstram o convívio na mesma época, dos humanos e dinossauros.

De acordo com a história e o entendimento que a humanidade tem a respeito desse assunto, a possibilidade do homem ter convivido com os dinossauros é impossível. Os dinossauros viveram no período jurássico e foram extintos há 65 milhões de anos, muito anos antes do homem surgir na Terra.

As figuras impressas nas pedras de Ica foram pesquisadas superficialmente por alguns cientistas e rotuladas como não verídicas, porém há outros cientistas alegando que essas investigações são inconclusivas e afirmam que as coleções encontradas não estão sendo estudadas de forma séria, em função das implicações e reviravolta que traria para a história a hipótese de que homens e dinossauros possam ter vivido na mesma época.

O Dr. Darquéa entendeu que as pedras contavam uma história de milhões de anos e que isso mudaria o que conhecemos sobre a evolução humana.

O médico encontrou muita resistência por parte dos cientistas que o acusavam de fraude, esses cientistas não abrem suas mentes e não aceitam a hipótese. Fora os cientistas existem também os criacionistas, que tentam provar que o mundo tem apenas 6.000 anos, para eles todas as medições de idade que passem desse período estão incorretas, pois se for provado ao contrário, também se colocaria em dúvida os registros bíblicos.

Arqueólogos independentes estão estudando as pedras de Ica com mais profundidade e revelam uma história incrível sobre elas. Aproximadamente 15000 pedras foram encontradas nas ruínas de Ica no Peru, e os estudos mostram que esss pedras funcionam como se fossem um gigantesco quebra-cabeças.

Alguns insistem em dizer que os enigmas do Peru pertencem a culturas indígenas, mas o Dr. Javier Cabrera Darquea alega que vieram de uma civilização muito avançada tecnologicamente, há milhões de anos. O médico diz possuir provas da existência de uma caverna onde as pedras originais foram encontradas e onde há muito mais pedras a serem estudadas, porém o local da caverna somente será revelada quando a comunidade científica levar esses estudos a sério e formar uma expedição para pesquisar o local, caso contrário, ele teme que se o local for revelado aleatoriamente, curiosos e oportunistas possam encontra-lo e as evidências desapareçam.

Em 1966 depois de ser presenteado com as pedras de Ica, o Dr. Javier Cabrera começou a fazer uma coleção dessas pedras talhadas que possuem desenhos considerados impossíveis para a época em função da tecnologia e conhecimentos em várias áreas, registrados através das imagens nelas impressas.

As pedras possuem desenhos demonstrando por exemplo uma transfusão sanguínea, transplantes de estômago, transplante de coração através de acupuntura, cesariana, além de imagens demonstrando detalhadamente procedimentos cirúrgicos avançados. Outras mostram pilotos voando em veículos acima do chão, sobre os dinossauros, enquanto o co-piloto observa as estrelas com um equipamento que sugere ser um telescópio.

De acordo com as pesquisas do Dr. Cabrera, as imagens gravadas nas pedras são registros de uma antiga cultura, muito avançada cientificamente, porém nos dias de hoje reconhecer uma tecnologia avançada, na era dos dinossauros, seria muito controversa e perturbadora. As pedras possuem desenhos de brontossauros, estegossauros, tiranossauro Rex e pterorodátilos.

Baseando-se em informações estudadas, constantes nas imagens, o Dr. Cabrera defende a ideia de que os cientistas da época sabiam como matar répteis gigantes. Segundo ele os dinossauros possuíam dois sistemas nervosos, o cérebro e glândula pélvica e se um deles fosse atingido, o dinossauro seria abatido.

Há outras imagens que mostram o planeta Terra, seus continentes nas diferentes posições do globo, como também os animais e plantas da época, incluindo os dinossauros.

Todas as pedras possuem uma superfície lisa, preta na qual figuras foram entalhadas. Levantando-as, pode-se perceber que são muito mais pesadas do que as pedras comuns de tamanho similar.

Isso demonstra que esses desenhos foram entalhados nessas pedras pelo homem há milhões de anos, num tempo que segundo a história que conhecemos, a humanidade ainda não existia.

Eugenia C. Cabrera, diretora do museu e filha do Dr. Cabrera, disse que seu pai realizou uma análise sobre as pedras e descobriu que elas são um tipo comum de rocha chamada andesita, revestidas por uma camada especial na superfície, o que as tornam pretas, lisas e provavelmente, acrescentou-lhes o peso extra.

O Dr. Cabrera, hoje com 95 anos de idade, acredita que os artefatos formam conjuntos de informações que devem ser “lidos” em grupo, tipo um quebra-cabeças onde uma pedra completa a informação da outra. Atualmente o museu possui em seu acervo, 11 mil pedras consideradas originais.

Teoria da Falsificação

A teoria da falsificação das pedras deve ser estudada com profundidade. Quando há uma pesquisa séria que foge do pensamento tradicional, como é o caso da pedras da Ica, quem quer desacreditar o trabalho dos investigadores busca por evidências de falsificação e ao primeiro sinal, sai gritando aos quatros ventos que a teoria é falsa. E esse fato aconteceu com essa pesquisa.

Um lavrador do vilarejo de Ocucaje em Ica – local onde se extrai grande quantidade de pedras no Peru – , chamado Basílio Uchuya, foi apontado como o verdadeiro autor das pedras pela sua habilidade de fazer desenhos em pedras e por isso os arqueólogos ortodoxos, apontaram as pedras como todas falsas. Não houve nenhum interesse por parte desses arqueólogos,  em estudar os registros históricos sobre a existência dos artefatos, estes cientistas também não procuraram entender ou explicar como Uchuya, um humilde camponês poderia, nos anos 60, conhecer toda a tecnologia e conhecimento de medicina avançada e astronomia detalhados nas pedras.

Foram efetuados vários exames na datação dessas pedras e o resultado coloca suas pinturas como algo que vai de algumas centenas de anos a milhares de anos — a datação não foi feita nas pedras em si, mas naquilo que se acumulou em suas ranhuras ao longo do tempo e também nas camadas que se acumularam sobre os desenhos, chamadas de “pátina de oxidação”. O solo da região, seco e árido, favorece o aparecimento dessa camada.

Em relação a fraude, a verdade é que muitas pedras são fraudadas e vendidas como suvenires a turistas desavisados, é natural que o povoado da região explore a oportunidade. Basílio Uchuya realmente desenhava peças para vender, mas disse que confeccionar os desenhos dava mais dinheiro e era um trabalho muito mais ameno do que o que tinha anteriormente, mas que os desenhos foram copiados de revistas, ilustrações e também de outras pedras.

O Dr. Cabrera diz que a comunidade científica acredita que o homem do século XX seja o ápice da humanidade, portanto é muito difícil imaginarem e muito menos aceitarem a hipótese de que no passado existiram seres com mais tecnologia, inteligência e conhecimento.

Durante muitos anos ele convidou a comunidade científica para estudar as pedras com afinco, apesar de muitos cientistas terem conhecimento sobre essas pedras, se recusam a investiga-las.

Mensagens das Pedras

As Pedras de Ica possuem uma mensagem muito importante deixada por seres altamente avançados que viveram na Terra há milhões de anos.

A autenticidade nunca foi comprovada, porém se essa evidência continuar a ser ignorada, talvez um valioso conhecimento sobre a história da humanidade, poderá se perder para sempre. Essas pedras poderiam reescrever nossa história.

Durante um documentário de 2002 “A pegada dos Deuses”, o investigador J. Benitez visitou uma área remota do deserto de Uschuya, lá uma escavação que durou mais de 40 minutos sobre um solo imaculado revelou diversas pedras inéditas, seria esta a prova definitiva da autenticidade das pedras de Ica?

Fontes:
https://ufo.com.br/artigos/a-incrivel-biblioteca-de-pedras-gravadas-de-ica-resiste-aos-anos.html
http://teoriaalien.blogspot.com/2011/04/as-fantasticas-pedras-de-ica.html

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!