Outra Versão sobre a História da Humanidade – Anunnaki

Essa história foi retirada da tradução de uma escrita antiga, cuneiforme, do conteúdo registrado em tábuas de argila, desenterradas por uma equipe de arqueólogos há  150 anos em Uruk, as margens do Rio Eufrates no Iraque, antiga Mesopotâmia. Essa vasta biblioteca de argila tem a idade de  6000 anos – a.C.,  e contém a mais antiga forma de escrita já registrada. Zecharia Sitchin, nascido na Russia, local que hoje pertence ao território ucraniano, cujos pais imigraram para a Palestina, onde ele cresceu e começou sua jornada e trabalhou na tradução que conta a outra versão sobre a história da humanidade.

Em 1930 formou-se em história na cidade de Londres, trabalhou como jornalista, editor e  mais tarde estabeleceu-se em Nova York, dedicando-se à sua pesquisa histórica. Sitchin tinha conhecimentos de mitologia e história das civilizações antigas, além de estudar línguas semítica, europeias arcaicas e também tinha profundo conhecimento do hebraico. Ele se tornou um dos poucos estudiosos a nível mundial com conhecimentos necessários para a ler e interpretar o sumério, idioma diretamente ligado as tabuletas de argila encontradas no deserto do Iraque, ele passou mais de 30 anos traduzindo o que estava escrito nessas tábuas e publicou essas traduções em uma série de livros.

Onde nasceu a Outra Versão sobre a História da Humanidade

Uma revelação sobre um outro lado da formação do universo e da origem da nossa civilização, o início da humanidade. As tábuas de Argila que foram encontradas há 150 anos por arqueólogos, no Iraque, teriam sido escritas pelo povo Sumério, há 6000 anos – a.C..   A Suméria floresceu na Mesopotâmia, hoje o Iraque. Os Sumérios eram uma civilização avançada que possuía seu sistema de linguagem escrita e tinha um sistema religioso composto por diversos deuses, que segundo a mitologia Suméria, governavam a Terra, e que quando chegaram aqui  trabalharam o solo, tornaram-no habitável e o intuito era extrair os  minerais do planeta, especificamente o ouro.

Sistema Solar

Essas tábuas, apesar da idade, descreviam nosso sistema solar como um conjunto de 12 corpos celestes (10 planetas o sol e a lua). Os Sumérios possuíam um inexplicável conhecimento de astronomia e naquela época,  já afirmavam a existência de planetas que foram descobertos recentemente pela ciência contemporânea, como por exemplo, Plutão. Eles também descreveram um 12º astro ou 10º planeta,  que faz uma órbita diferente dos demais. Seria esse astro o tão falado Planeta X, Hercobulus ou Nibiru? E por que os cientistas procuram tanto por esse planeta?

Supostamente ele teria uma órbita elíptica alongada, e não é visto atualmente porque está muito distante do sol, além de Plutão. Nibiru, segundo os registros, leva 3600 anos para completar a sua órbita e quando se aproxima, tem grande impacto sobre todos os planetas do sistema solar. Nibiru, teria trazido a Terra uma civilização chamada Anunnaki, que foram considerados, pela civilização da época, deuses. Zecharia Sitchin, linguísta, perito em escrita cuneiforme e outras linguagens antigas, publicou através de diversos livros essa transformadora trajetória, sobre a história antiga. A órbita extensa de Nibiru, faz com que o planeta se torne invisível por milênios. Sitchin relata que quando Nibiru se aproxima e fica em posição favorável, sua civilização, os Anunnaki, visitam a Terra interferindo no curso da nossa história. Um ano em Nibiru, denominado Char, corresponde a 3600 anos terrestres e a expectativa de vida dos Anunnaki é de 120 Chars, ou seja 432.000 anos terrestres.

Seriam os Deuses Anunnaki

De acordo com Zecharia Sitchin, as tábuas relatam sobre uma raça alienígena vinda a Terra, instalando-se no Golfo Pérsico, com o objetivo de explorar ouro. As tábuas descreviam essa civilização como os Anunnaki, que significa, aqueles que desceram dos céus. Essa civilização teria colonizado nosso planeta, e criado a raça humana através de manipulações genéticas.

Segundo os sumérios, os Anunnaki são de um planeta chamado Nibiru, hoje chamado pela NASA de planeta X, e sua órbita difere dos demais planetas em relação ao sol. Nosso planeta teria se originado como resultado da colisão entre dois astros. Segundo as tabuletas, onde hoje é a Terra, havia um planeta maior denominado Tiamat. Duas luas de Tiamat teriam colidido com o planeta dividindo-o em várias partes. Em uma das partes se formou a Terra e os outros fragmentos teriam formado o Cinturão de Asteróides, entre Marte e Júpiter. Essa colisão teria alterado a órbita de Nibiru, desestabilizando sua atmosfera.  Por isso os Anunnaki teriam chegado a Terra para explorar o ouro, uma vez que esse mineral restaura a atmosfera de seu planeta.

A princípio os próprios Anunnaki executavam o trabalho de exploração do ouro, porém o árduo trabalho os levou a necessidade de possuírem escravos, e assim os Anunnaki, através de dois especialistas em genética, Enki e Ninhursag teriam criado a raça humana, misturando o material genético Anunnaki com animais da Terra, que possuíssem semelhanças com seu DNA. Foram várias tentativas, resultando nos centauros, minotauros, sereias e outras misturas. Foram várias tentativas até o experimento de engenharia apresentar resultados satisfatórios, Enki, cientista genético e Ninhursag, chefe de Medicina, teriam criado híbridos usando material do homo erectus,  animais terrestres e dos próprios anunnaki.

Homo Sapiens

Os primeiros híbridos homo sapiens, escravos, não se reproduziam e não tinham muitas das capacidades atuais, com o tempo seu DNA foi sendo ajustado para a espécie poder procriar, e assim se reproduziram e se espalharam pelo planeta, chegando a surpreender seus criadores, pois eram belas criaturas e se desenvolviam muito bem. Mas Enlil, líder dos Anunnaki na Terra, filho do Rei de Nibiru Anu, e meio-irmão de Enki nunca aprovou tal experimento e não aceitava aquela situação, até que decidiu exterminar a humanidade provocando uma colossal inundação, em época que Nibiru se aproximava da órbita da Terra. Mas Enki, que tinha um carinho pela sua criação, teria salvo muitos humanos que por muitos anos como soldados e escravos se espalharam não só pela Mesopotâmia, mas pelo Egito, India e Américas.

Retorno a Nibiru

Os Anunnaki teriam partido para seu planeta seis mil anos após o grande dilúvio, mas teriam aqui deixado um sistema político hierarquizado estabelecendo linhagens de reis para representa-los, que possivelmente eram de descendência anunnaki, treinados em várias disciplinas para exercerem essas funções.

Descoberta de um Novo Planeta

Na década de 90 foram publicadas algumas descobertas sobre um novo planeta no sistema, na época denominado de planeta intruso, e esse fato foi confrontado com as traduções de Zecharia Sitchin. A razão do interesse por Nibiru ocorre em função da passagem deste planeta a cada 3600 anos, produzindo efeitos no nosso meio ambiente como: Mudança nos polos da terra, influência nas marés e mudança nos padrões climáticos. Nibiru poderia ter criado a extinção dos dinossauros, como também a extinção da vida em Marte.

Novas Evidências

Há evidências em escavações arqueológicas como artefatos, máquinas e ferramentas que surpreendem pelos avanços tecnológicos. No deserto do Iraque, por exemplo,  foram encontradas baterias de argila com eletrodos datadas em 2500 anos a.C. Também encontraram nos sítios arqueológicos registros deixados das experiências Anunnaki, revelando milhares de lâminas de argila contendo os cálculos astronômicos com exatidão, avanços da medicina, regime de comércio e casamentos e cotidiano da época. Esses registros também fornecem a localização do laboratório dos Anunnaki no leste da África Central e próximo a minas de ouro. Neste local encontraram o mais antigo DNA mitocondrial pertencente a um fóssil denominado Lucy.

Lá também foram encontradas ruínas de minas de outro com cerca de 100.000 anos. A teoria de Sitchin explicaria o elo perdido da Teoria da Evolução de Charles Darwin, onde a separação entre o homem e o macaco nunca foi encontrado e explicaria o porquê de mesmo depois de quinze mil anos, a humanidade ainda se encontrar em condições de escravidão social, mental e profissional, mesmo com todos nossos avanços que ocorreram nestas áreas. Levando em consideração a expectativa de vida de um anunnaki de 420.000 aos terrestres, e partindo-se do princípio de que essa história seja verdadeira, será que eles e seus descendentes não estariam entre nós?

Objetos Astronômicos

Astrônomos da atualidade procuram pelo Planeta X, que Sitchin acreditava ser Nibiru, e seria o lar dos Nefilins.  É interessante e intrigante o interesse pela busca do misterioso corpo celeste.  Através das observações a partir do telescópio japonês Subaru, localizado no Havaí, os astrônomos começaram a pesquisar na estreita faixa de céu entre a Constelação de Touro e as Plêiades, a localização do Planeta IX, e se Zecharia Sitchin, falecido em 2010, estivesse vivo, estaria bem empolgado, vendo a descoberta sendo noticiada oficialmente — e fazendo novas pesquisas para entender se há diferenças entre o Planeta IX e Nibiru, que também se encaixa na descrição do “Planeta Chupão” , citado por Chico Xavier.

Baixe Grátis!

Se você se sente ansioso, com dores, com medo, humor alterado, depressão, este e-book é para você!

Protegeremos seu E-mail, fique tranquilo, somos contra SPAM.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!